Ticker

6/recent/ticker-posts

Dra. Aline Damasceno fala sobre saúde, trajetoria e congresso Abbvie Imunotopia 2022.



Nos dias de hoje onde a saúde é extremamente importante, vamos nos conectar com a saúde através da Dra. Aline Damasceno.

Formada em 2011 pela Unicastelo a dra. fez residência em cirurgia geral pelo Hospital Regional de Presidente Prudente, Coordenadora do internato de medicina da Unifadra Dracena, atuação em doenças inflamatórias intestinais e membro do GEDIIB, Mestranda em ciências da saúde pela Unoeste, participou do congresso Abbvie Imunotopia 2022 no Rio de Janeiro, convidada por Marco Adorno Consultor da Abbvie, a medica agregou conhecimento e experiência no evento.



O evento  reúniu gastroenterologistas, reumatologistas e dermatologistas de todo brasil.

Vamos conversar com a Dra. Aline e entender um pouco mais sobre saúde, imunodeficiência e suas especializações.

Fale um pouco sobre sua trajetória? 

Sou nascida em Dracena, interior de São Paulo com uma paixão desde a infância por Medicina; fiz a faculdade com bolsa Prouni integral e após terminar a residência retornei para Dracena, onde atuo e resido até hoje. A minha história com as DII´s (Doenças Inflamatórias Intestinais) iniciou em 2014 com meu primeiro paciente com Doença de Crohn, que foi como um desafio a entender melhor a patologia e aprender para poder ajudar. Desde então tenho me dedicado a Cursos de Especialização, Pós Graduação em Coloproctologia pelo Hospital Israelita Albert Einstein e muitas horas de estudo.


O que é? E quais são as doenças inflamatórias intestinais? 

Doença Inflamatória Intestinal é um grupo de patologias que acometem o trato digestório causando processo inflamatório da mucosa e destruição da mesma. Dentre essas patologias temos a Retocolite Ulcerativa e a Doença de Crohn. Em ambas a qualidade de vida do paciente fica muito prejudicada causando dor, diarréia, sangramentos, emagrecimento, anemia, dentre outras complicações que podem levar a um comprometimento da vida laboral e social do paciente. 

Existem exames para identificar essas patologias? Há tratamento?

No caso das DII´s o processo de diagnóstico depende de uma avaliação clínica criteriosa, realização e avaliação de exames, dentre eles sendo o de maior destaque a Colonoscopia, na qual podemos identificar o processo inflamatório e realizar biópsias para confirmação da doença, e na maioria das vezes diferenciar entre as duas patologias (Retocolite Ulcerativa e Doença de Crohn). Atualmente o tratamento está muito evoluido permitindo ao paciente uma vida praticamente normal, sem dores, sem complicações graves; sendo que dentro do arsenal terapêutico temos desde comprimidos que atuam na resposta imune-inflamatória até medicamentos injetáveis (Subcutâneos e Endovenosos) que podem melhorar substancialmente a qualidade de vida do paciente, bem como evitar as complicações a longo prazo da doença.

Quais tratamentos necessários para combater as doenças? 

O grande segredo no combate dessas doenças é o diagnóstico precoce e a escolha adequada de tratamento, mas adicional a isso precisamos de uma equipe multidisciplinar com Psicólogos, Enfermeiros e Nutricionistas para que o paciente possa atingir a meta de remissão da doença. Sendo assim o tratamento engloba o medicamento, acompanhamento psicológico e nutricional e em alguns casos atendimento e acompanhamento da equipe de enfermagem. 





Qual a importância em participar desse evento para você? 

Esse último evento foi muito importante porque tivemos contato com palestrantes internacionais que trouxeram sua experiencia com os tratamentos mais novos e discussões de casos que nos ajudam nas decisões terapeuticas do dia-a-dia. 

Qual mensagem a Dra. deixa para os leitores atentos com a saúde?

 A saúde é como uma planta que precisa de cuidados diários, sendo que muitas vezes quando deixamos de regar pode não apresentar alterações rapidamente, mas com certeza as consequencias virão. Aos pacientes de Doença Inflamatória Intestinal quero dizer que hoje as terapias disponíveis permitem uma melhora importante da qualidade de vida e retorno as atividades cotidianas.

Por Jeferson Kim @jeferson.Kim

Assessoria de Imprensa 

Assessoria Cinco @assessoria5cinco 

Postar um comentário

0 Comentários